Graveola e o Lixo Polif˘nico

Videos - Graveola e o Lixo Polif˘nico

International
Shops

search for music by Graveola e o Lixo Polif˘nico at amazon



search for rare music at Music Stack

Links:
Graveola e o Lixo Polif˘nico

pesquisa  Graveola e o Lixo Polif˘nico

DVDs

Graveola e o Lixo Polif˘nicoGraveola e o Lixo Polif˘nico -  Nasceu


Graveola – Ao Vivo no Palácio das Artes / DVD (2012)



Faixas:
01 – Pra Parar de Vez
02 – Desdenha
03 – Dois Lados da Canção
04 – Desagrados e Flores
05 – Desmantelado
06 – Inverno
07 – Canção para um Cão Qualquer
08 – Nesse Instante Só
09 – Lindo Toque
10 – Rua A
11 – Antes do Azul
12 – Insensatez
13 – O Cão e a Ciência
14 - Babulina’s Trip
Marcadores: DVD, Graveola e o Lixo Polifônico, MPB

Graveola e o Lixo Polifônico – Eu Preciso de um Liquidificador (2011)

Estranho quem têm observado o trabalho da banda mineira Graveola e O Lixo Polifônico como algo novo, quiçá inédito dentro do cenário musical brasileiro. Embora pareça como uma alternativa recente aos atentos seguidores da música independente nacional, a banda de Belo Horizonte, Minas Gerais já vem de uma longa data de apresentações ao vivo, pequenas e grandes gravações em estúdio. Entretanto, estranho não observar o grande salto criativo que a banda (estranho catalogá-los assim) dá em seu mais novo trabalho, Eu Preciso De Um Liquidificador (2011, Independente), um projeto que esbanja beleza, experimentos e uma formatação musical rara e habilmente desenvolvida.

Os mais apressados não tardaram em jogar o grupo – praticamente uma imensa família de músicos vindos de distintas vertentes musicais – no mesmo balaio em que artistas tocados pela “febre Los Hermanos” foram ao longo de uma década sendo empilhados. Os cruzamentos entre samba, rock e alguns toques de ritmo latino provavelmente foram os grandes responsáveis por isso, entretanto, o bloco da Graveola não está sozinho, muitas mais referências habitam as suculentas texturas musicais promovidas pelos mineiros, algo que o novo álbum apenas reforça.

Quem observar atentamente a afinação musical neo-hippie que se estende por todo o trabalho do grupo – assim como seu vasto número de integrantes – verá que muito do que delimita os compostos da banda vão além, muito além da geração 2000. Por mais que o indie rock suingado e carregado de referências latinas ainda esteja lá, é nas inspirações poéticas e sonoras que entrecortam tanto a Tropicália como os Novos Baianos de sua melhor fase que o coletivo mineiro encontra seu elemento de acerto.

Se grandioso é o número de mentes que trabalham por trás de cada uma das canções que brotam ao longo do disco, ainda mais diversificado é o conjunto de ritmos, sons e incontáveis referências que borbulham enquanto se desenvolve o álbum. Sejam as pequenas transições pelo Jazz e a Bossa Nova em Canção para um Cão qualquer e Inverno, o samba em Desenha (lembrando muito os Novos Baianos do disco Acabou Chorare) ou mesmo todo o clima caliente de Desmatelado, tudo se representa de maneira vasta, como um grande passeio por diferentes épocas, estilos e preferências musicais.

Típico registro que deve agradar em cheio aos arcaicos apreciadores da velha MPB, em todas as 14 faixas do álbum é possível encontrar um profundo toque de música brasileira, algo que se anuncia tanto de forma branda e quase imperceptível (O Cão e a Ciência), como de maneira escancarada e adornada em notas verdes e amarelas (Desdenha). Aos pouco instruídos nesse tipo de som, a trinca de abertura do disco proporciona o momento mais “rock” do trabalho, com o grupo moldando boas guitarras e versos que se sustentam em um pop agradável e nunca descartável.

Talvez aos despreparados o vasto jogo de sons que explodem ao longo do disco causem certa dose de desconforto, com o ouvinte desnorteado mediante o plural número de opostos ritmos e tendências que vão se acumulando dentro de cada faixa. Entretanto, esta é a lógica do disco, que cresce justamente através deste amplo conjunto de referências, quebrando assim o título da obra, afinal, a Graveola não precisa de um liquidificador como estampa na capa do álbum, já que a mistura que talvez eles ainda já está pronta desde e a primeira canção do disco.
Por Cleber Facchi



Faixas:
01 – Blues Via Satélite – Luiz Gabriel Lopes e Marcelo de Podestá
02 – Pra Parar de Vez – Luiz Gabriel Lopes
03 – Desencontro – José Luís Braga
04 – Farewell Love Song (Canção de Sei Lá o Que Sim) – César Lacerda e Luiz Gabriel Lopes
05 – Desdenha – José Luís Braga e Luiz Gabriel Lopes
06 – Desmantelado – José Luís Braga, Luiz Gabriel Lopes e Marcelo de Podestá
07 – Inverno – Luiz Gabriel Lopes
08 – Nesse Instante Só – José Luís Braga
09 – Lindo Toque – José Luís Braga e Luiz Gabriel Lopes
10 – Rua A – José Luís Braga e Luiz Gabriel Lopes
11 – Canção Para Um Cão Qualquer – Yuri Vellasco e Luísa Rabello
12 – Kg de Pão – Bruno de Oliveira e Luiz Gabriel Lopes
13 – Babulina’s Trip – Luiz Gabriel Lopes
14 – O Cão e a Ciência – José Luís Braga e Luísa Rabello
Marcadores: Experimental, Graveola e o Lixo Polifônico

Graveola e o Lixo Polifônico – Edição Especial 7”

A estranheza que causa o nome da banda parece ser a porta de entrada mais adequada para o som que vem dali: um terreno fértil de ambigüidades, referências e “plágios estilísticos”, configurando um mosaico simbólico intrincado e confuso. E talvez seja justamente essa incoerência auto-afirmada o motivo do impacto que o grupo Graveola e o Lixo Polifônico vem lentamente causando no cenário artístico de Belo Horizonte.

Os mineiros do Graveola e o Lixo Polifônico também apostaram no formato do acetato e lançaram o Special Vinyl Edition, pela Vinyl Land, um single de 7" com 3 músicas.


Lado A
01 - Benzinho

Lado B
01 - Insensatez: a mulher que fez
02 - O quarto 417 (a aventuras de dioni lixus).

Um comentário:
Marcadores: Compacto, Experimental, Graveola e o Lixo Polifônico

Graveola e o Lixo Polifônico - Um e Meio (2010)



Uma das principais características da Graveola e o Lixo Polifônico é a criatividade. E agora não fizeram por menos. Eles não lançaram um álbum, mas sim um meio álbum. Um e Meio é, como eles dizem, uma coletânea de estranhezas, grandes sucessos, ruídos enervantes, todos preparados com dedicação durante as férias. O álbum é um bootleg, ou seja, são gravações ao vivo de forma descontraída.
*Segunda Edição - Embalagem de Tecido


Faixas
01 - Coquetismo – José Luis Braga e Luiz Gabriel Lopes
02 - Dois Camelos sem assunto ou meu Primo Coreano – Yuri Vellasco
03 - Rua A - José Luis Braga e Luiz Gabriel Lopes
04 - O Varal esquecido no Final – Flora Lopes, José Luis Braga, Luiz Gabriel Lopes, Marcelo de Podestá e Luisa Rabello
05 - Mastigar - Luiz Gabriel Lopes
06 - Passatempo – Bidu
07 - Desagrados e Flores - José Luis Braga e Luisa Rabello
08 - V Simpósio Latino Americano de Neurologia - Yuri Vellasco
09 - Eu aqui, por Enquanto – Luisa Rabello, Luiz Gabriel Lopes e Flávia Mafra
10 - Enquanto isso no Salvador – João Paulo Prazeres
11 - Pero no Mucho - Luiz Gabriel Lopes
12 - Desencontro - José Luis Braga
13 - Gosto na Boca – Marcelo de Podestá
14 - não tem coisa mais feia do que pobre num caminhão chevrolet – Zé do Poço

Marcadores: Experimental, Graveola e o Lixo Polifônico
Disponivel  - A musica que vem de Minas


Músicas para FIFA Copa do Mundo Rússia 2018

World cup song England 2018 World cup song Brasil 2018 World cup song Russia 2018
Cançao para Seleção Inglës com musica Brasileira Música para Seleção Brasileira Música Oficial com Letras e Tradução em Português

Volta a Artistas

 ------  Copyright © 1998-2018 MusicaPopular.org -----  contato webmaster

videos letras discografia biografia article musica mp3 galeria imagens pictures